Black Sabbath: Eu vim, vivi e vi.

Black Sabbath: Eu vim, vivi e vi.

Todo fã de rock – principalmente dos clássicos – que se preze tem uma lista de shows que gostaria muito de ver, mas sabe que é impossível, vejam a minha:

  1. Beatles;
  2. Janis Joplin;
  3. Jimi Hendrix;
  4. Led Zeppelin;
  5. Pink Floyd;
  6. Black Sabbath;
  7. (…)

Black Sabbath na Apoteose

É isso mesmo, eu, Tony Iommi, Geezer Butler e Ozzy vivemos o suficiente para estarmos no mesmo ambiente, vendo uma apresentação do verdadeiro Black Sabbath! Sim, Bill Ward tinha que estar lá, mas foi muito bem representado pelo Tommy Clufetos, batera que já tinha trabalhado na carreira solo do Ozzy.

Está um pouco difícil escrever sobre a emoção de estar lá. Afinal, em 1997 quando eu vi pela primeira vez um vídeo da  Ozzfest, quando eles fizeram a sua primeira reunião, após tantos anos separados, eu já tinha surtado. E era apenas um vídeo da década de 90. Tosco.

Black Sabbath na Apoteose

Voltando para 2013, na Apoteose. Megadeth fez uma abertura para poucos, as pessoas não estavam muito interessadas na banda do Dave Mustaine, exceto a galera do gargarejo. Mas cumpriu sua função, depois do show de abertura, no meio do silêncio começaram as surpresas. Ainda com o palco fechado, veio pelo microfone uma provocação ao público, todos nós achávamos que aquela puxada de “Olê Olê Olê” era um roadie, depois uma brincadeira imitando um Cuco e então Ozzy se entregou com uma risada, todos enlouqueceram.

A sirene e então WAR PIGS! Apoteose foi tomada por todos cantando juntos, vibrando com aquele momento. A banda estava claramente feliz com o retorno e com o show, Ozzy com uma energia invejável para os seus 64 anos, com corpinho de 128, Tony Iommi indo muito além da função e nos mostrando por que ele é considerado um dos melhores guitarristas da história do rock e Geezer sendo uma grande surpresa ao vivo. Um show a parte para todos os baixistas! Como se só o som não fosse suficiente, a apresentação foi complementada por telões perfeitos que atendiam completamente o clima e história da banda.

Black Sabbath na Apoteose

Entre clássicos, como Black Sabbath, N.I.B., Snowblind e Iron Man, eles apresentaram três músicas do novo álbum, 13: God is Dead?, Age of Reason e End of the Beginning. Deram espaço para Clufetos mostrar o motivo de ter sido escolhido para uma missão tão importante, um solo de bateria porrada, com uma força impressionante. E claro, não faltaram os clássicos “We Love You All”, “God Bless You All”, ao menos um pulinho de sapo, morcego mordido na boca e sem gafes para os cariocas.

Como mencionei acima, é difícil falar sobre. Black Sabbath, de verdade, foi um show histórico. Tão histórico que até o som da Apoteose estava bom.